Topo
Miguel Arcanjo

Miguel Arcanjo

Categorias

Histórico

Há limite para liberdade de expressão ou é censura?

Miguel Arcanjo Prado

25/04/2019 09h38

Danilo Gentili é centro da mais recente polêmica sobre liberdade de expressão artística – Foto: Divulgação/SBT

"Liberdade é não ter medo", disse a cantora estadunidense Nina Simone (1933-2003) em emblemática entrevista. A frase pode ser usada como uma premissa da atividade artística de forma geral, a qual, para ser realmente livre, precisa ser exercida sem medo.

Contudo, no Brasil dos últimos tempos, vários casos de distintas matizes ideológicas e áreas artísticas levantam uma questão polêmica e que precisa ser refletida e debatida de forma profunda por toda a sociedade: há limite para liberdade de expressão ou qualquer proibição é censura?

A Constituição de 1988, feita após o longo período em que o país mergulhou na ditadura militar, quando a censura era uma prática de Estado, garante a liberdade de expressão.

A Constituição diz em seu artigo 5º, inciso IX: "é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença". E ainda reitera no artigo 220, parágrafo 2º: "é vedada toda e qualquer censura de natureza política, ideológica e artística".

Entretanto, casos em que as palavras "censura" e "liberdade de expressão" são colocadas lado a lado tornam-se cada vez mais corriqueiros, o que mostra que o debate saudável e respeitoso sobre o tema deve ser encarado de frente pela sociedade e a Justiça.

Leia também:
Atriz emplaca Globo e Netflix ao mesmo tempo
Mudança na Rouanet apavora teatro musical
Festa baiana em SP terá edição neste sábado 
Aos 80, Sergio Mamberti fará peça na Rússia

Desde que sendo uma expressão artística comprovada e que não exista crime contra nenhuma pessoa, este colunista é contra qualquer tipo de censura prévia ou posterior, tal qual postula a Constituição.

E a Justiça deve seguir de forma isenta e tratar casos de matizes ideológicas distintas de igual modo, para não haver dois pesos duas medidas, como já observado.

A expressão artística não pode ficar a critério da crença pessoal do juiz que cuidar do caso, caso haja algum tipo de denúncia, como já visto recentemente.

A liberdade de expressão precisa ser livre e universal, e cabe à sociedade zelar por ela para que possamos permanecer em um ambiente democrático de fato.

Como forma de contribuir nesta importante discussão, o Blog do Arcanjo no UOL lembra alguns casos mais recentes em que se deu este tipo de polêmica.

Danilo Gentili rasga notificação parlamentar da deputada Maria do Rosário e enfia os papéis na cueca para terem "cheirinho especial"; ela o processou, e ele alegou censura, mas foi condenado em primeira instância à prisão, mas recorreu em liberdade – Foto: Reprodução

Caso Danilo Gentili
O humorista e apresentador paulista do "The Noite" no SBT foi condenado pela Justiça no último dia 10 a seis meses e 28 dias de prisão em regime semiaberto por ter cometido crime de injúria contra a deputada federal Maria do Rosário, podendo recorrer em liberdade. Danilo alegou estar sendo vítima de censura e recebeu apoio de grande parte dos humoristas famosos, mas também houve quem criticasse o tom que ele usou contra a deputada.

Renata Carvalho na peça "O Evangelho Segundo Jesus, Rainha do Céu": ela chegou a ser proibida pela Justiça de interpretar a figura de Jesus Cristo no espetáculo, apresentação em Garanhuns (PE) chegou a ter explosão de uma bomba – Foto: Ligia Jardim/Divulgação

Caso Renata Carvalho
Importante nome da luta pela representatividade trans nas artes, a atriz travesti paulista Renata Carvalho sofreu represálias, ameaças de morte na internet e proibição da Justiça de interpretar a figura de Jesus Cristo na peça "O Evangelho Segundo Jesus, Rainha do Céu", da dramaturga trans escocesa Jo Clifford. Em 2017, houve censura judicial da obra em Jundiaí (SP). Depois, a peça também sofreu tentativa de censura na Justiça em Belo Horizonte e em Salvador, mas os advogados da artista conseguiram derrubar as decisões. Em 2018, no interior de Pernambuco, a peça foi cancelada da programação oficial do Festival de Inverno de Garanhuns após pressão de líderes religiosos e políticos locais. Renata e sua equipe decidiram fazer a peça na cidade por meio de um financiamento coletivo. Durante a sessão, uma bomba chegou a explodir no local da apresentação. A equipe contou que a situação foi traumatizante para todos.

O bailarino Wagner Schwartz em cena do espetáculo La Bête: caso conhecido como "Nu do MAM" trouxe ameaças de morte ao artista e acusação de pedofilia; o artista foi inocentado pela Justiça das acusações – Foto: Humberto Araujo/Divulgação

Caso Wagner Schwartz
Em 2017, o bailarino e performer fluminense Wagner Schwartz virou centro de uma polêmica por fazer a performance "La Bête", na qual seu corpo fica nu para ser moldado pelo público, inspirado na obra de Lygia Clark. Em um vídeo viralizado na internet, uma criança tocou a mão do artista durante a performance e ele ficou conhecido como "Nu do MAM". O artista sofreu linchamento na internet com acusações de pedofilia e ameças de morte, mas foi absolvido pela Justiça.

Imagem da exposição Queermuseu, que foi cancelada em Porto Alegre e realizada no Rio após financiamento coletivo – Foto: Divulgação/Reprodução

Caso Queermuseu
Em 2017, a exposição Queermuseu – Cartografias da Diferença na Arte Brasileira" foi cancelada pelo Santander Cultural de Porto Alegre após grupos conservadores realizarem protestos na internet contra o conteúdo da mostra, que apresentava questões sobre a diversidade sexual e o gênero. Depois, a mostra aportou no Parque Lage, no Rio, feita por financiamento coletivo que arrecadou R$ 1 milhão.

Obra da exposição Histórias da Sexualidade, que causou polêmica no Masp, que chegou a proibir entrada de menores mesmo acompanhado de pais e responsáveis, mas voltou atrás – Foto: Divulgação

Caso Masp
Após pressão na internet de grupos conservadores, em 2017, o Masp proibiu pela primeira vez em 70 anos de história que menores de 18 anos, mesmo que acompanhado pelos pais, vissem uma exposição, no caso a "Histórias da Sexualidade". Depois, o museu voltou atrás em sua decisão, e permitiu menores no local, desde que acompanhado dos pais ou dos responsáveis legais.

O performer Maikon K, que foi preso em Brasília durante uma apresentação artística por policiais militares que o acusaram de "atentado ao pudor" por estar nu durante a performance; depois, o Governo do Distrito Federal se desculpou com o artista – Foto: Victor Takayama/Divulgação

Caso Maikon K
O performer paranaense Maikon K foi preso durante a realização da performance DNA de DAN em espaço aberto em Brasília, durante o festival Palco Giratório, do Sesc. Na apresentação, o artista fica nu, com um corpo coberto por um líquido viscoso dentro de uma bolha de plástico, que foi destruída pelos policiais, que o acusaram de "atentado ao pudor", mesmo sua nudez estando em um contexto artístico. A performance de Maikon K foi referendada por Marina Abramović, considerada pela crítica como o maior nome da performance no mundo. O artista foi abordado com violência e colocado pelos agentes da Polícia Militar dentro de um camburão, onde foi levado para a delegacia, onde foi posteriormente solto. Depois, o Governo do Distrito Federal pediu desculpas ao artista.

"Blitz – O Império Nunca Dorme" em Santos: peça foi interrompida por policiais militares que não gostaram do teor da encenação artística na praça dos Andradas – Foto: Ailton Martins/Divulgação

Caso Trupe Olho da Rua
Em 2016, a peça "Blitz – O Império que Nunca Dorme", da trupe Olho da Rua, teve sua apresentação na praça dos Andradas, no centro de Santos, litoral paulista, impedida por policiais. Os agentes da Polícia Militar não gostaram do teor da peça e decidiram pôr fim à encenação em praça pública. O ator Caio Martinez Pacheco chegou a ser algemado e preso, mas foi liberado depois. Os artistas afirmaram ser vítimas de censura.

Zé Celso e o boneco polêmico do Papa em "Acordes": Justiça inocentou artistas do Oficina após processo de padre goiano que viu a cena pelo YouTube e resolveu processar os artistas – Foto: Adriano Vizoni/Folhapress

Caso Teatro Oficina
O diretor José Celso Martinez Corrêa, o Zé Celso, e os atores Tony Reis e Mariano Mattos Martins foram processados pelo padre Luiz Carlos Lodi da Cruz, de Goiás. Este alegou que a peça "Acordes", encenada em 2012 na PUC São Paulo e à qual viu trechos pela internet, ofendia seus "sentimentos religiosos", sobretudo pelo boneco no qual identificou o Papa. A Justiça absolveu os artistas do Oficina da acusação, lembrando que a liberdade de manifestação artística está prevista na Constituição e que "nenhuma igreja está imune a críticas".

Fachada do Edifício London, onde a menina Isabella Nardoni foi morta: peça sobre o caso acompanhado passo a passo pela TV foi proibida – Foto: André Vicente/Folhapress

Caso peça Edifício London
Em 2013 a Justiça proibiu a encenação da peça "Edifício London", do dramaturgo Lucas Arantes e com atores da Cia. de Teatro Os Satyros, de São Paulo. A ficção foi inspirada no caso da morte da menina Isabella Nardoni, que comoveu todo o Brasil em 2008, mas não chegou a estrear. O autor da peça chegou a ser condenado a indenizar a mãe da menina em R$ 20 mil por danos morais, mas recorreu, e o caso seguiu em segredo de Justiça.

Rafinha Bastos no "CQC": piada sobre Wanessa Camargo e o bebê gerou condenação na Justiça para o humorista – Foto: Divulgação/Band

Caso Rafinha Bastos
Em 2011, o comediante gaúcho Rafinha Bastos disse, em tom de piada, ao vivo, no extinto "CQC" (Band) que "comeria" Wanessa Camargo e o bebê que ela esperava. A cantora e seu marido processaram o comediante, que se recusou a pedir desculpas pela piada. Ele foi condenado pela Justiça a pagar R$ 150 mil por danos morais para a cantora filha de Zilu e Zezé Di Camargo.

Siga Miguel Arcanjo no Instagram!

Sobre o autor

Eleito três vezes um dos dez melhores jornalistas culturais do Brasil pelo Prêmio Comunique-se, Miguel Arcanjo Prado é jornalista, mestre em Artes pela UNESP, pós-graduado em Mídia, Informação e Cultura pela USP (Celacc-ECA) e bacharel em Comunicação Social pela UFMG. É crítico da APCA (Associação Paulista de Críticos de Artes), da qual foi vice-presidente. Mineiro de Belo Horizonte, vive em São Paulo desde 2007. Passou por TV Globo Minas, O Pasquim 21, TV UFMG, Rádio UFMG Educativa, Curso Abril de Jornalismo, Superinteressante, Contigo!, Folha de S.Paulo, Agora, Uma, R7, Record, Record News, Rede TV!, Claudia, Band, Gazeta e Rede Brasil. É jurado dos prêmios APCA, do Humor, Bibi Ferreira, Sesc Melhores Filmes e Risadaria. Ganhou os prêmios Nelson Rodrigues, Inspiração do Amanhã e Referência Nacional pela Ancec. Como dramaturgo, é autor da peça Entrevista com Phedra.

Sobre a coluna

Miguel Arcanjo mostra o que acontece e quem é destaque nos palcos, telas, salas e sociedade, com informações e entrevistas exclusivas, além de reflexões sobre o mundo da Cultura e do Entretenimento.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{user.alternativeText}}
Avaliar:

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Blog do Arcanjo