Topo
Miguel Arcanjo

Miguel Arcanjo

Categorias

Histórico

O Retrato do Bob: Djonga leva seu 'fogo nos racista' ao musical Madame Satã

Miguel Arcanjo Prado

04/09/2019 10h00

Djonga em retrato de Bob Sousa – 2019 – Foto: Bob Sousa – Blog do @miguel.arcanjo UOL

Artistas de verdade dialogam com seu tempo. Com Djonga, nome que está no topo do rap nacional, não poderia ser diferente. O músico mineiro acaba de fazer concorridíssimo show para 30 mil pessoas em Belo Horizonte no último sábado (31), no Festival Sarará, e já se prepara para repetir o feito no Coala Festival, em São Paulo, onde se apresenta neste domingo (8), no Memorial da América Latina. O cantor e compositor ainda encontra fôlego para exercitar sua verve de ator no musical "Madame Satã", com seu conterrâneo Grupo dos Dez, no Teatro Jaraguá, no centro paulistano, onde posou para o fotógrafo Bob Sousa com exclusividade para o Blog do Arcanjo. Djonga assumiu o protagonista já no último domingo (1º), retornando ao palco nesta terça (3) e repetindo o feito ainda nesta quarta (4) e quinta (5), sempre às 20h, com entrada a R$ 15. Demonstrando generosidade para com seus irmãos do teatro, foi o próprio Djonga quem pediu para entrar no espetáculo. Ele é fã declarado da figura lendária figura negra da boemia carioca. Vivendo o personagem no musical escrito por Rodrigo Jerônimo e Marcos Fábio de Faria, o "anarquista não convicto", como se define, encontrou mais uma forma de ampliar aquele papo reto que costuma mandar na sua música vista 14 milhões de vezes no YouTube: "Fogo nos racista".

Bob Sousa é fotógrafo, mestre em artes pela Unesp e crítico de artes visuais da APCA. É autor do livro "Retratos do Teatro" (Ed. Unesp). Desde 2012, retrata com exclusividade para o Blog do Arcanjo grandes nomes da Cultura e das Artes na coluna O Retrato do Bob. Produção: Daniela Hamazaki.

Siga @miguel.arcanjo no Instagram

Madame Satã: à frente, Djonga com a diretora musical, cantora e atriz Bia Nogueira; ao fundo, o ator e cantor Rodrigo Negão (à esq.) e o diretor e ator Rodrigo Jerônimo (à dir.), em retrato do Bob Sousa – Foto: Bob Sousa – Blog do @miguel.arcanjo UOL

Sobre o autor

Eleito três vezes um dos dez melhores jornalistas culturais do Brasil pelo Prêmio Comunique-se, Miguel Arcanjo Prado é jornalista, mestre em Artes pela UNESP, pós-graduado em Mídia, Informação e Cultura pela USP (Celacc-ECA) e bacharel em Comunicação Social pela UFMG. É crítico da APCA (Associação Paulista de Críticos de Artes), da qual foi vice-presidente. Mineiro de Belo Horizonte, vive em São Paulo desde 2007. Passou por TV Globo Minas, O Pasquim 21, TV UFMG, Rádio UFMG Educativa, Curso Abril de Jornalismo, Superinteressante, Contigo!, Folha de S.Paulo, Agora, Uma, R7, Record, Record News, Rede TV!, Claudia, Band, Gazeta e Rede Brasil. É jurado dos prêmios APCA, do Humor, Bibi Ferreira, Sesc Melhores Filmes e Risadaria. Ganhou os prêmios Nelson Rodrigues, Inspiração do Amanhã e Referência Nacional pela Ancec. Como dramaturgo, é autor da peça Entrevista com Phedra.

Sobre a coluna

Miguel Arcanjo mostra o que acontece e quem é destaque nos palcos, telas, salas e sociedade, com informações e entrevistas exclusivas, além de reflexões sobre o mundo da Cultura e do Entretenimento.