PUBLICIDADE
Topo

Histórico

Categorias

Osteria Degli Angeli: Rosi Perdigão une sabores e culturas com amor farto

Miguel Arcanjo Prado

14/12/2019 10h30

Inesquecível fusão de sabores e culturas: a chef Rosi Oliveira Perdigão se destaca na gastronomia mineira ao comandar com muito amor a cozinha do restaurante italiano Osteria Degli Angeli, em Belo Horizonte – Foto: Divulgação – Blog do @miguel.arcanjo UOL

Na subida para a Serra do Curral, na movimentada cozinha de um bucólico casarão instalado na rua Francisco Deslandes, 156, no tradicional bairro do Anchieta, em Belo Horizonte, a chef Rosi Oliveira Perdigão comanda aromas e sabores que misturam o melhor das gastronomias italianas e mineiras.

Ao lado do marido, Rômulo Perdigão, Rosi conduz a Osteria Degli Angeli, restaurante imperdível para os amantes da boa comida, com seu famoso menu Tutto (com variadas combinações de entrada, prato principal e sobremesa a um preço que deixa o bolso feliz). Afinal, o lugar é adepto de pratos fartos e saborosos, como é do feitio dessa chef belo-horizontina criada em uma casa de dez irmãos.

Como tudo na vida dela, suas criações culinárias são frutos de fusões culturais que ela traz da vida e incorpora às panelas. Aliás, a trajetória de Rosileide daria um belo filme.

Rosileide Oliveira Perdigão ao lado de sua mãe, Oneida Oliveira, ícone da cultura em Minas Gerais – Foto: Arquivo Pessoal – Blog do @miguel.arcanjo UOL

Ela é filha de ninguém menos do que a saudosa Oneida Oliveira, mineira nascida em Ouro Preto mas forjada nos mistérios da Bahia, fundadora do primeiro bloco afro de Minas Gerais, o Afoxé Ilê Odara, apadrinhado por ninguém menos que Gilberto Gil. Gil era íntimo de sua mãe, que o chamava de "Meu Neguinho". Já seu pai é Raimundo Oliveira, o célebre Velho Dico, lendário sambista de Belo Horizonte com passagem pelo muito do samba carioca.

Não bastasse esse berço cultural esplêndido, Rosileide ainda foi bailarina integrante da superprodução Aleijadinho – Um Anjo de Asas Feridas Habitou entre Nós, que marcou época no Palácio das Artes no começo dos anos 1980, contando a história do mais importante escultor barroco.

Ainda antes de definir a cozinha como sua grande obra de arte, exerceu, dentre outras profissões, a de professora, de intérprete de espanhol e de cantora, com um breve hiato passado no Panamá, na América Central, onde se aventurou pela vida e sabores caribenhos.

Sempre respeitosa com sua origem, Rosi foi pioneira em Belo Horizonte no uso da trança afro, que ela mesma fazia em sua cabeça em uma época em que a maioria preferia o alisado – bem antes de o discurso do empoderamento negro ser a tônica do momento.

Os chefs Rosi Oliveira Perdigão e seu marido, Rômulo Perdigão, da Osteria Degli Angeli – Foto: Divulgação – Blog do @miguel.arcanjo UOL

Nos últimos anos, incentivada pelo marido, aceitou que seu antigo dom já bastante elogiado pela família deveria se tornar a locomotiva de sua vida profissional: o talento farto para cozinhar com amor. E mergulhou profundo nas matizes da gastronomia italiana, fusionando a mundialmente consagrada cucina a referências culturais que a vida lhe presenteou.

E cozinhar com amor Rosi faz muito bem, como no carré suíno com risoto mineiro, sua famosa criação, sem falar na entrada de filé ao molho gorgonzola, que de tão farta e boa parece prato principal. Se você quiser comprovar isso e mais um pouco, tire um momento de calma e rume para um bucólico casarão de ares italianos, mas de alma mineira, em uma rua que sobe para o sopé da Serra do Curral em Belo Horizonte.

Osteria Degli Angeli
@osteriadegliangeli
R. Francisco Deslandes, 156 – Anchieta, Belo Horizonte, Minas Gerais. Tel. (31) 3281-7965. Ter. a sex., 19h-0h. Sáb. 12h-16h30 e 19h-0h; dom. 12h-17h.

Ver essa foto no Instagram

 

Uma publicação compartilhada por Osteria Degli Angeli (@osteriadegliangeli) em

Siga @miguel.arcanjo

Sobre o autor

Eleito três vezes um dos dez melhores jornalistas culturais do Brasil pelo Prêmio Comunique-se, Miguel Arcanjo Prado é jornalista, mestre em Artes pela UNESP, pós-graduado em Mídia, Informação e Cultura pela USP (Celacc-ECA) e bacharel em Comunicação Social pela UFMG. É crítico da APCA (Associação Paulista de Críticos de Artes), da qual foi vice-presidente. Mineiro de Belo Horizonte, vive em São Paulo desde 2007. Passou por TV Globo Minas, O Pasquim 21, TV UFMG, Rádio UFMG Educativa, Curso Abril de Jornalismo, Superinteressante, Contigo!, Folha de S.Paulo, Agora, Uma, R7, Record, Record News, Rede TV!, Claudia, Band, Gazeta e Rede Brasil. É jurado dos prêmios APCA, do Humor, Bibi Ferreira, Sesc Melhores Filmes e Risadaria. Ganhou os prêmios Nelson Rodrigues, Inspiração do Amanhã e Referência Nacional pela Ancec. Como dramaturgo, é autor da peça Entrevista com Phedra.

Sobre a coluna

Miguel Arcanjo mostra o que acontece e quem é destaque nos palcos, telas, salas e sociedade, com informações e entrevistas exclusivas, além de reflexões sobre o mundo da Cultura e do Entretenimento.

Blog do Arcanjo