PUBLICIDADE
Topo

Histórico

Categorias

Filmes vencedores em Tiradentes têm negros, mulheres, LGBTs e indígenas

Miguel Arcanjo Prado

03/02/2020 16h05

Vencedores da 23ª Mostra de Cinema de Tiradentes: pluralidade presente entre os premiados – Foto Jackson Romanelli/Universo Produção – Divulgação – Blog do @miguel.arcanjo UOL

Após nove dias de 113 filmes vistos por um público de 37 mil pessoas, chegou ao fim no último sábado (1º) a 23ª Mostra de Cinema de Tiradentes.

Veja fotos da 23ª Mostra de Cinema de Tiradentes
Coordenadora comemora ter levado 37 mil ao cinema

A cerimônia no Cine-Tenda foi marcada pela pluralidade no palco, a começar do número de abertura com a cantora Josi Lopes.

Ao entoar junto de seu tambor mineiro a música "A Festa", composta por Milena Torres e com acompanhamento de Barulhista, ela chamou a atenção para a apropriação da cultura negra por artistas brancos sem que negros sejam beneficiados com isso. Foi bastante aplaudida.

A importância das representatividades e das pautas identitárias estiveram presentes no palco durante toda a cerimônia, sobretudo nos discursos dos vencedores, entre os quais tinham artistas negros, mulheres, LGBTQIA+s e indígenas.

A cantora Josi Lopes fez performance potente no encerramento da 23ª Mostra de Cinema de Tiradentes: ela cantou que cultura negra é apropriada por brancos sem que negros sejam beneficiados – Foto Netun Lima/Universo Produção – Divulgação – Blog do @miguel.arcanjo UOL

Equipe de Canto dos Ossos, de Jorge Polo e Petrus de Bairros, comemora Troféu Barroco como melhor longa da Mostra Aurora pelo Júri Oficial da 23ª Mostra de Cinema de Tiradentes – Foto Leo Lara/Universo Produção – Divulgação – Blog do @miguel.arcanjo UOL

O filme cearense "Canto dos Ossos", da dupla Petrus de Bairros e Jorge Polo, venceu como melhor longa-metragem da Mostra Aurora na 23ª Mostra de Cinema de Tiradentes, escolhido pelo Júri Oficial, que o definiu assim: "Um filme pode nos dizer coisas pela metade, pode errar ou exagerar e, no entanto, pode, à sua maneira, revelar epifanias que nos oferecem o intempestivo cristal de um segmento de tempo, de gesto, de susto privilegiado".

O Júri Popular escolheu como melhor longa o filme baiano "Até o Fim", de Glenda Nicácio e Ary Rosa, e como melhor curta "A Parteira", de Catarina Doolan, do Rio Grande do Norte.

Equipe de "Yãmĩyhex – As Mulheres-espírito", de Sueli Maxakali e Isael Maxacali , celebra o Troféu Barroco com o Prêmio Carlos Reichenbach, eleito pelo Júri jovem o melhor longa da Mostra Olhos Livres – Foto Leo Lara/Universo Produção – Divulgação – Blog do @miguel.arcanjo UOL

O Prêmio Carlos Reichenbach, dado pelo Júri Jovem ao melhor longa da Mostra Olhos Livres, foi para "Yãmĩyhex – As Mulheres-espírito", realizado em Minas Gerais com direção de Sueli Maxakali e Isael Maxakali. "Esse filme é importante para mostrar nossa realidade a vocês", disse a diretora, que saudou a maior presença de profissionais indígenas no audiovisual brasileiro. O Júri Jovem destacou, no filme, "a delirante efervescência da terra, a estética do estar, um manifesto de atravessamentos".

Helena Ignez entrega o Prêmio que leva seu nome para a diretora de fotografia Lílis Soares, destaque feminino na 23ª Mostra de Cinema de Tiradentes – Foto Leo Lara/Universo Produção – Divulgação – Blog do @miguel.arcanjo UOL

O Prêmio Helena Ignez 2020, oferecido pelo Júri Oficial a um destaque feminino em qualquer função nos filmes das mostras Aurora e Foco, foi entregue pelas mãos da própria atriz e diretora. A vencedora foi a diretora de fotografia Lílis Soares, que esteve em Tiradentes participando de três trabalhos: os curtas "Ilhas de calor", na Mostra Jovem; "Minha história é outra", na Mostra Foco; e o longa "Um dia com Jerusa", na Mostra A Imaginação como Potência.

"O que ela tem feito, articulada em coletivos, como o Coletivo de Diretoras de Fotografia do Brasil, ao qual o júri estende sua homenagem, é um cinema que assume para si a responsabilidade de enfrentar não apenas uma disputa de narrativas, mas o agenciamento de uma sensibilidade preta", destacou o Júri Oficial. No agradecimento, emocionada, Lílis, que é mulher negra, desejou um cinema brasileiro com mais mulheres e mais pessoas negras na criação.

Equipe de Egum, de Yuri Costa recebe o prêmio de melhor curta da Mostra Foco, eleito pelo Júri Oficial na 23ª Mostra de Cinema de Tiradentes – Foto Leo Lara/Universo Produção – Divulgação – Blog do @miguel.arcanjo UOL

Na Mostra Foco, o Júri escolheu o curta-metragem "Egum" (RJ), com direção de Yuri Costa. Para o júri, "na proposta de abordar a questão racial em sua dimensão sensível, encontramos um filme que se posiciona no âmbito do cinema de gênero, em busca de formas para as sensações de terror e desespero que com frequência atravessam o cotidiano dos corpos negros no Brasil".

Perifericu recebe Prêmio Canal Brasil de Curtas de Melhor Curta da Mostra Foco na 23ª Mostra de Cinema de Tiradentes- Foto Leo Lara/Universo Produção – Divulgação – Blog do @miguel.arcanjo UOL

O Prêmio Canal Brasil de Curtas, que oferece R$ 15 mil a um curta também da Foco, foi para "Perifericu", de Nay Mendl, Rosa Caldeira, Stheffany Fernanda e Vita Pereira, que retrata o cotidiano de um grupo de amigas LGBT no Capão Redondo, bairro de periferia em São Paulo. "Esse filme fala muito sobre vida e é muito bonito poder celebrar essa vida aqui hoje", destacou Rosa. "Ele fala de existência além da simples sobrevivência. Ao mesmo tempo, é muito triste porque a gente não quer mais ser exceção, queremos ser a regra". Nos agradecimentos, a equipe falou que foi vítima de preconceito durante a estadia em Tiradentes, mas reiterou que vai continuar ocupando todos os espaços possíveis.

CONFIRA OS PREMIADOS DA 23ª MOSTRA DE CINEMA DE TIRADENTES

– Melhor longa-metragem Júri Popular: Até o Fim (BA), de Glenda Nicário e Ary Rosa.

Troféu Barroco;

Da Mistika: R$ 20 mil em serviços de finalização

Da Dot: Master DCP para longa até 120 minutos.

– Melhor curta-metragem Júri Popular: A Parteira (RN), de Catarina Doolan.

Troféu Barroco;

Da Ciario: R$ 5 mil em locação de equipamentos de iluminação, acessórios e maquinaria da Naymar;

Do CTav: 20 horas de mixagem e empréstimo de câmera por duas semanas;

Da Mistika: R$ 6 mil em serviços de finalização

– Melhor curta-metragem pelo Júri Oficial, Mostra Foco: Egum (RJ), de Yuri Costa.

Troféu Barroco;

Da Ciario: R$ 5 mil em locação de equipamentos de iluminação, acessórios e maquinaria da Naymar;

Do CTav: 20 horas de mixagem e empréstimo de câmera por duas semanas;

Da DOT Cine: duas diárias de correção de cor e máster DCP para curta de até 20 minutos;

– Melhor longa-metragem pelo Júri Jovem, da Mostra Olhos Livres, Prêmio Carlos Reichenbach: Yãmĩyhex – As Mulheres-espírito (MG), de Sueli Maxakali e Isael Maxakali.

Troféu Barroco;

Da Ciario: R$ 10 mil em locação de equipamentos de iluminação, acessórios e maquinaria da Naymar;

Da Cinecolor: 5 diárias de correção de cor;

Da Dotcine: máster DCP para longa de até 120 minutos

– Melhor longa-metragem da Mostra Aurora, pelo Júri Oficial: Canto dos Ossos (RJ), de Jorge Polo e Petrus de Bairros.

Troféu Barroco;

Da End Post: R$ 40 mil em serviços de pós produção (laboratório digital, sync, dailies, conform, correção de cor, animação, composição, 3D e masterização);

Da Ciario: R$ 10 mil em locação de equipamentos de iluminação, acessórios e maquinaria da Naymar;

Da Cinecolor: 5 diárias de correção de cor;

Da Dotcine: máster DCP para longa de até 120 minutos

– Prêmio Helena Ignez para destaque feminino: Lílis Soares, diretora de fotografia.

– Prêmio Canal Brasil de Curtas: Perifericu (SP), de Nay Mendl, Rosa Caldeira, Stheffany Fernanda e Vita Pereira.

Prêmio de R$ 15 mil.

*Enviado especial a Tiradentes (MG), o jornalista e crítico Miguel Arcanjo Prado viajou a convite da Mostra de Cinema de Tiradentes.

>>> Siga @miguel.arcanjo

Sobre o autor

Eleito três vezes um dos dez melhores jornalistas culturais do Brasil pelo Prêmio Comunique-se, Miguel Arcanjo Prado é jornalista, mestre em Artes pela UNESP, pós-graduado em Mídia, Informação e Cultura pela USP (Celacc-ECA) e bacharel em Comunicação Social pela UFMG. É crítico da APCA (Associação Paulista de Críticos de Artes), da qual foi vice-presidente. Mineiro de Belo Horizonte, vive em São Paulo desde 2007. Passou por TV Globo Minas, O Pasquim 21, TV UFMG, Rádio UFMG Educativa, Curso Abril de Jornalismo, Superinteressante, Contigo!, Folha de S.Paulo, Agora, Uma, R7, Record, Record News, Rede TV!, Claudia, Band, Gazeta e Rede Brasil. É jurado dos prêmios APCA, do Humor, Bibi Ferreira, Sesc Melhores Filmes e Risadaria. Ganhou os prêmios Nelson Rodrigues, Inspiração do Amanhã e Referência Nacional pela Ancec. Como dramaturgo, é autor da peça Entrevista com Phedra.

Sobre a coluna

Miguel Arcanjo mostra o que acontece e quem é destaque nos palcos, telas, salas e sociedade, com informações e entrevistas exclusivas, além de reflexões sobre o mundo da Cultura e do Entretenimento.

Blog do Arcanjo